23 agosto, 2009

O homem esqueceu como escutar.

       Há 2 anos atrás, em um dia qualquer, resolvi ir ao cinema. Fiquei pensando por muito tempo qual filme eu iria assitir, eu não me decidia, nada me atraía. Então escolhi a primeira sessão e comprei meu ingresso. Quando percebi o título do filme me arrependi de ter escolhido logo aquele! O nome não me atraía de forma alguma, só me deixava com a impressão de que o filme seria chato. E aí, o filme começa. Me encantei apenas com o prólogo, perfeito. Comecei a mudar minha opinião em relação ao filme. E no fim, acabei percebendo não foi por acaso que resolvi ir ao cinema, muito menos ter escolhido aquele filme. Até acho que aquele filme me escolheu. Toda vez que o assisto sinto algo despertar em mim. Percebi que algumas coisas simples que fazemos hoje, mas com nossos corações, podem daqui há alguns anos tranformar o mundo, para melhor. Que é normal ter medo, mas ao lado daqueles que confiam e acreditam em nós, teremos coragem para seguir. Que, ás vezes, você não se sente capaz, mas você é mais do que capaz. Que podemos precisar da ajuda de pessoas que estão no nosso convívio, mas que nunca imaginamos como aliados em uma suposta batalha. Que nem sempre é bom saber o nosso próprio futuro. Que existem pessoas que possuem um coração enorme, que acredite na salvação da humanidade, mesmo quando um dos ser humano tirou algo dessa pessoa que era essencial e insubistituível. Que contos de ninar, não são apenas contos de ninar. Para mim, uma história preciosa. Indico de coração para vocês que querem ir além dos vampiros, transformers e elfos. Assistam A Dama na Água.

Um comentário:

Gaabí Andrade disse...

os 'acasos' da vida são essenciais, né? as vezes a gente num percebe na hora, mas depois de algum tempo vê que aquilo foi que te levou pro melhor caminho!